O futuro da Macroeconomia


As lições recentes das crises financeiras fazem concenso o quanto a politica monetária terá atingido a sua exaustão. O Professor Olivier Blanchard, na verão actualizada do seu paper “Rethinking Macroeconomics” reconhece que a política monetária tenha conhecido os seus limites, exaurindo a reserva de munições. Destaca que terá sido por conta do estimulo fiscal que a economia global assite um momento de recuparação da estaganação, não obstante os esforços da política monetária não convencional centrada no “quantitative easing”.  sustentaculo teorico
Olivier, reconhece o quanto Minky estava certo ao centrar sua tónica na fragilidade do sistema financeiro como factor explicativo das crises. O recente aprendizado demonstrou que não foram apenas as epectativas racionais. O comportamento irracional e a não linearidade teram estado por traz da dinamica dos mercados!
Quando os probemas da liquidez traduzem-se em probemas de solvabildiade?
O questinamento de em quanto mais as economias podem eleavar o seu racio de endividamento em torca do agravamento de impostos? (Equivalencia Ricardiana)

Não é a mão invisivel que estabiliza as economias,  acções de política proativas e reactivas são necessárias. Consolidação Fiscal para ipulsionar o crescimeno e aquecer a demanda.

Como será o período pós-crises? (…)

Veja mais na apresentação de O. Blanchard  (ex Economista Chefe do FMI) no Peterson Institute of Interational Economics e L. H. Summers da Harvard University

Veja a apresentação em powerpoint aqui

  1. #1 by Paulo Ringote on Novembro 14, 2017 - 10:50 pm

    Segundo Ben Bernanke, em “The Courage to Act”, a politica monetária continua válida, mesmo quando o Banco Central baixe as taxas de juros a Zero. Na sua autobiografia, Bernanke chama a isto : “O fim da ortodoxia”, querendo referir-se a J. Keynes (armadilha da liquidez). A experiencia deste grande economista do nosso século, é que graças a atuação do Bancen em reduzir as taxas de juros e com isto, estimular o credito e o consumo, que o EUA conseguiram vencer a a crise de 2007-2008. O quantitative easing, foi apenas um instrumento de luta da política monetária, que tinha como base as baixas taxas de juros e com isto levar o FED no caso a comprar os activos tóxicos do sistemas bancário e empresas do sector financeiro ( AIG, Fannie Mae e Fredie Mack) e real . O Quantitative easing que se iniciou no Japão nos anos 90, passou a ser a “pedra de toque” dos principias bancos centrais do mundo (FED, BCE e UK) para relançar as economias. E funcionou! A conclusão a que chego é que, foi vencido o medo da ortodoxia Keynesiana.

Tem de fazer login para postar um comentário.